Mobilidade urbana nas grandes cidades

por Fabi Lins 1.722 views0

O que é mobilidade urbana tem sido uma questão amplamente discutida, devido ao crescimento das cidades e à urbanização. Na prática, quando falamos sobre mobilidade urbana, estamos tratando da facilidade de deslocamento pelo espaço geográfico.

Quando a mobilidade é eficiente em uma cidade, isso quer dizer que os deslocamentos são feitos de forma fácil e rápida. Justamente por isso, esse é um tema de responsabilidade do poder público e essencial quando se trata de planejamento urbano e qualidade de vida.

A ação do poder público, em conjunto com a iniciativa privada, por exemplo empresas de transportes, é especialmente importante em grandes cidades, como São Paulo e Rio de Janeiro, em que a mobilidade torna-se um desafio pelo número de habitantes e pela extensão do espaço urbano.

Sobre esse assunto, vale conhecer o projeto Pioneiros do Transporte, que aborda os desafios e a evolução do transporte público no Rio de Janeiro, a partir de entrevistas com agentes importantes da história dos ônibus e do transporte coletivo na cidade.

Desafios da mobilidade urbana nas grandes cidades

Apesar da importância desse assunto na prática, são vários os desafios da mobilidade urbana no Brasil. Muitos deles são gerados pelo crescimento do uso de carros individuais, que causa congestionamentos, acidentes e contribui para o aumento da poluição.

“Problemas de mobilidade urbana são comuns às metrópoles mundiais e nem as mais ricas e bem equipadas estão livres deles, convivendo com a presença maciça dos automóveis particulares, congestionamentos e toda a sorte de efeitos adversos, sejam eles ambientais, energéticos, sociais ou econômicos”, explica o empresário do setor de transportes, Jacob Barata Filho.

Os problemas de acessibilidade, que tornam difícil o deslocamento de pessoas com deficiência física e outras dificuldades de locomoção, também são outros dos desafios da mobilidade urbana no Brasil.

Além disso, o próprio desenvolvimento urbano das cidades é impactado por esses desafios enfrentados. Afinal, sem meios de transporte adequados e eficientes, acessibilidade e um bom planejamento urbano, a industrialização e a urbanização são colocadas em risco.

Como melhorar a questão da mobilidade urbana

Para vencer os desafios da mobilidade urbana e torná-la mais eficiente no Brasil, há muito o que ser feito. Um exemplo disso são os planos de mobilidade urbana, sob responsabilidade de cada município no país.

Esses planos funcionam como um conjunto de diretrizes, cujo objetivo é oferecer inclusão social e acessibilidade, promover segurança e qualidade de vida nos deslocamentos, tornar a mobilidade mais eficiente e garantir dinamismo econômico e preservação do meio ambiente.

Para isso, algumas das ações planejadas e implementadas são, por exemplo, a integração entre diferentes modais e a priorização do transporte ativo, com a implantação de ciclofaixas e calçadas, e do transporte público no Brasil.

Ações como essas têm relação direta com o conceito de mobilidade urbana sustentável, cuja finalidade é facilitar trajetos, priorizando a integração entre modais e o transporte coletivo e ativo, reduzindo impactos ambientais, a partir de transportes com energia mais limpa, e trazendo mais qualidade de vida para as pessoas.

“Hoje a sustentabilidade faz parte do planejamento estratégico de qualquer empresa que atue no transporte coletivo, mas esse esforço não pode ser isolado, pois uma mobilidade urbana sustentável começa com a reorganização do espaço urbano e é determinada pelo grau de acessibilidade que uma cidade confere aos seus cidadãos”, afirma Jacob Barata Filho.

Nesse sentido, vale destacar o conceito de espaço público, que são locais destinados a toda a população, como parques e ruas, e como a mobilidade urbana sustentável impacta na acessibilidade de todos os cidadãos a ele. Afinal, com acessibilidade, sustentabilidade e planejamento urbano, todos podem ter acesso ao espaço público.

A mobilidade urbana sustentável é posta em prática a partir de ações como a implementação de sistemas de deslocamento sobre trilhos, como bondes e metrôs, e de ônibus limpos, como os BRTs, além da integração desses meios de transporte com outros mecanismos facilitadores de deslocamento, como ciclovias, esteiras rolantes, bicicletas públicas e elevadores de grande porte.

Além da priorização do transporte público e da integração de modais, as novas tecnologias também podem ser usadas para otimizar a mobilidade urbana. Hoje, já há soluções que permitem entender melhor a dinâmica dos passageiros, por exemplo, fazendo com que o planejamento do transporte urbano seja mais eficiente.

Tecnologias até então utilizadas apenas em carros individuais, como o transporte autônomo, movido a energia elétrica, feito de materiais leves e com dispositivos de comunicação e sensores de segurança, também podem ser utilizadas no transporte coletivo, aprimorando cada vez mais esse serviço.

São várias as medidas que podem ser tomadas para tornar mais eficiente a mobilidade urbana no Brasil e as parcerias entre poder público e iniciativa privada são estratégicas para que possam ser tiradas do papel.